Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
Aumento da área de produção para compensar perdas é alternativa para a citricultura na região do Alto Uruguai
Os dados e as propostas foram apresentados na 6ª Abertura Oficial da Colheita da Laranja Valência do Alto Uruguai, realizada na última sexta-feira (16/08).
Redação
por  Redação
20/08/2019 11:05 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade


O aumento da produção mundial e a queda no consumo de sucos têm deixado os produtores preocupados. Para enfrentar este cenário da situação da citricultura, a alternativa é o aumento de plantio de áreas por produtores para compensar as perdas e aumentar a produtividades dos pomares já existentes na região do Alto Uruguai, já para as próximas safras.  Os dados e as propostas foram apresentados na 6ª Abertura Oficial da Colheita da Laranja Valência do Alto Uruguai, realizada na última sexta-feira (16/08). 

Com objetivo de valorizar a cultura da citricultura na região, o evento foi sediado no município de Três Arroios, reunindo mais de 200 pessoas, entre produtores ligados a atividade, técnicos da Emater/RS-Ascar, viveiristas, lideranças locais e regionais de 14 municípios que concentram a produção.  A atividade foi promovida pela Emater/RS-Ascar e prefeitura de Três Arroios, com apoio do Sicredi, Cresol, Banrisul, Coper Alfa, Olfar, Sutraf, Ecoterra e Comitê Técnico Regional de Citricultura do Alto Uruguai,

Os dados foram apresentados pelo engenheiro agrônomo e extensionista rural do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Erechim, Luiz Ângelo Poletto, e pelo extensionista rural do Escritório Municipal de Três Arroios, Jair Griebler. Poletto apresentou um panorama da produção e comercialização da fruta. Na safra 2018/2019, segundo ele, a região cultivou 2.717 hectares de laranja, 379 hectares de bergamota, envolvendo 1.623 famílias. Na sua avaliação, a produção pode aumentar, dos atuais 1,8 hectare para 1,95 hectare, em 2020. Mas o objetivo é chegar a mais de 4 hectares cultivados por produtores. 



Griebler expôs os dados da colheita desta safra na região do Alto Uruguai. A colheita simbólica foi realizada na propriedade da família Sbardelott com a atividade conduzida pelo casal Romulo e Janete e pelos filhos Maico e Andressa. Do total de 20,8 hectares, 1,7 são destinados a citricultura, sendo 0,8 hectare ao cultivo da laranja da variedade Valência.  Na amostragem da propriedade, a produtividade foi de 44 mil quilos por hectare, nesta variedade. Já em relação à região, a expectativa é de uma produtividade média de 27 toneladas por hectare, com redução de 10 % em relação à safra passada.

O público foi recepcionado na sede da Ecoterra (Associação Regional de Cooperação Agroecológica), onde recebeu informações da atividade e funcionamento da entidade que iniciou em 2001, comercializando 40 quilos por semana e, hoje, comercializa de 25 a 30 toneladas de alimentos orgânicos por semana. 

A importância da citricultura para a região foi destacada pelo prefeito de Três Arroios, Lirio Zarichta, pelo gerente regional da Emater/RS-Ascar, Gilberto Tonello, e pelo presidente do Sicredi UniEstados, Adelar Parmeggiani. Também participaram do ato de abertura representantes do Banrisul, Cresol, Coper Alfa, Olfar, Sutraf, entre outras lideranças. Zarichta agradeceu a parceria de todos os envolvidos e destacou que a prefeitura apoia e incentiva a fruticultura. A prefeitura subsidia parte dos valores das mudas adquiridas pelos produtores em 30% para implantação dos pomares, observou. Também citou outros investimentos em maquinários que serão usados nesta área.

Tonello parabenizou os produtores, as entidades parceiras e destacou a atuação dos instrutores da Emater/RS-Ascar dos cursos de citricultura ministrado no Centro de Treinamento de Agricultores e nos municípios e parabenizou as extensionistas que se envolveram na preparação dos produtos à base de laranja.

Parmeggiani falou em nome das cooperativas e apontou a importância do cultivo da citricultura, principalmente da laranja valência para a pequena propriedade. Também chamou atenção para a união dos produtores, do conhecimento da atividade e parcerias. “Sozinhos não vamos a lugar nenhum”, disse ao destacar o trabalho da Emater/RS-Ascar e das demais parcerias. O evento encerrou com um coquetel preparado com receitas à base de laranja.


Colaborou: Asscom Emater/RS-Ascar - Regional de Erechim

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE