Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Pets
CUIDADO ! | Chocolate pode causar danos graves nos pets, alerta veterinária
Cerca de 110gs de chocolate já são suficientes para dar intoxicação alimentar em cães de 3kg
Da Redação
por  Da Redação
27/03/2018 14:38 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade

A Páscoa está chegando e fazer um agrado para seu cachorro ou gato pode ter um efeito prejudicial a saúde do animal. Segundo a médica-veterinária da La Pet Cuisine e parceira da Pet Model Brasil, Dra. Juliana Fernandes, o chocolate é um dos principais alimentos que estão proibidos de serem consumidos pelos animais.

Além de serem ricos em gorduras e açucares, os chocolates – principalmente os mais puros, amargos e meio amargos, possuem cafeína e uma substância chamada teobromina, que pode causar intoxicação em cães. “Em grandes quantidades no organismo do animal, a teobromina vai causar excitação, aumento da pressão arterial, arritmias cardíacas, tremores e incontinência urinária. Já a cafeína vai levar ao aumento da frequência cardíaca e respiratória, hiperexcitabilidade, tremores e por vezes convulsões. Em casos mais graves, a ingestão de chocolate pode levar a convulsões e morte”, explica Dra. Juliana.

Para a médica-veterinária, até pequenas quantidades podem ser prejudiciais principalmente para cães de pequeno porte. “Não há doses seguras recomendadas para ingestão dessas substâncias. Estima-se que um cão de 3kg já apresenta sinais de intoxicação grave com aproximadamente 110gs de chocolate”, ressalta.

Embora o chocolate seja o grande vilão para os animais nesta Páscoa, Dra. Juliana também faz um alerta para outros tipos de alimentos que estão proibidos para consumo, como: cebola, uvas, carambola, macadâmias, alimentos com açúcar refinado e farinha branca. “Alguns dos ingredientes citados são perigosos apenas em longo prazo, enquanto outros podem causar reações adversas imediatamente após o consumo”, explica.

Petiscos são seguros?

Para Dra. Juliana a resposta é sim, mas desde que seja em pequenas quantidades e calculados por um veterinário nutrólogo ou zootecnista. “No geral, indicamos que a quantidade diária não ultrapasse 10% da ingestão calórica do dia, que deve ser reduzida do consumo de alimento do animal”, sugere.

Para a diretora da Pet Model Brasil, Deborah Zeigelboim, que diariamente acompanha pets em produções publicitárias, o bem-estar do animal faz diferença para desempenhar suas atividades de rotina. “Sempre orientamos e nos preocupamos sobre a alimentação saudável dos pets que trabalham conosco. A qualidade de vida deles deve estar em primeiro lugar”, afirma.

Atualmente, já existem pesquisas que comprovam que uma nutrição adequada pode reduzir o aparecimento de problemas de saúde, melhorar a disposição e até mesmo aumentar a expectativa de vida dos animais. “Procure um profissional para orientar sobre a melhor forma de alimentar o seu pet”, sugere Dra. Juliana.

Agência Contatto

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE