Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação

Diplomados em Direito da URI são nomeados como juízes federais

Os diplomados do Curso de Direito da URI, Rodrigo Dall Agnol, que colou grau em janeiro de 2006, e Andréia Loureiro, que colou grau em 2002, acabam de ser aprovados no Concurso do TRF3, de São Paulo.

Secom URI
por  Secom URI
08/07/2024 17:00 – atualizado há 11 dias
Continua depois da publicidadePublicidade

Os diplomados do Curso de Direito da URI, Rodrigo Dall Agnol, que colou grau em janeiro de 2006, e Andréia Loureiro, que colou grau em 2002, acabam de ser aprovados no Concurso do TRF3, de São Paulo, para o cargo de juiz federal. Ele é filho de João Sebastião Dall Agnol e Elaine Ângela Acco Dall Agnol, e irmão de Jéssica Dall Agnol, também diplomada pelo Curso de Direito da URI, em 2015. Rodrigo e Andréia concorreram aos cargos com 12 mil candidatos de todo o país. Ambos mandaram uma mensagem de otimismo a quem está na luta por novos horizontes na vida profissional.

Rodrigo disse, depois de tomar posse. 

“Após muito refletir optei em fazer o vestibular para Direito na URI Erechim, em 2001. Fiz muitos amigos durante a faculdade, os quais me acompanham até hoje, inclusive, me apoiando na longa jornada de estudos. Com o término do curso de Direito, no final do ano de 2005, a vida me levou para a advocacia. No entanto, o meu desejo sempre foi ser Juiz Federal. Mas acreditava ser um sonho inatingível.
Após mais de 10 anos advogando, com idas e vindas de alguns pequenos períodos de estudos, tomei uma decisão: iria me dedicar aos estudos. Só pararia quando conseguisse. Permaneci estudando por aproximadamente 7 anos. Neste período, foram muitas as decepções e a crença da total incapacidade. Havia também as constantes privações de festas, comemorações familiares ou com amigos. Não havia feriado ou final de semana. Inegavelmente, se trata de uma jornada difícil e incompreendida por todos aqueles que não estudam para concursos públicos. No entanto, toda a dedicação e compromisso deram frutos e hoje, olhando para trás, tenho certeza que tudo valeu a pena.
Por isso, posso dizer: todo o esforço é recompensado! Então acredite em você e vá à luta! Aproveito, também, a oportunidade, para agradecer todos os amigos, professores e familiares que sempre me apoiaram e muito me ensinaram”, concluiu.

Andréia, filha de João Loureiro da Silva e Ivone Salete Sandri Loureiro da Silva, também mandou seu recado aos que desejam buscar novos desafios. 

“Não desistam de seus sonhos e nunca deixem ninguém convencer vocês de que não é possível, de que não vale a pena tentar ou de que você já é muito velho ou velha para estudar. Fui a primeira da minha família a frequentar um curso superior. Cursei a universidade com crédito educativo, dedicando-me com extremo afinco, porque sabia que esta era a forma de ter uma vida melhor. 
O concurso público pode ter lá seus problemas, mas ainda assim é a forma mais democrática de se alcançar um cargo público. Não fosse o concurso, jamais chegaria ao cargo de Juíz Federal e o fiz com 45 anos. Antes disso, advoguei por dois anos e fui servidora pública federal por quase 18 anos. 
Coincidentemente, ou por força do destino para quem acredita, a minha posse como Juíza Federal, no dia 21 de junho de 2024, foi exatamente no mesmo dia que fui nomeada, 18 anos antes, para o cargo de Analista Judiciária da Justiça Federal do Rio Grande do Sul. Nesse percurso todo, houveram períodos em que me acomodei. Não foi fácil voltar a estudar e, inúmeras vezes, perguntei-me se valia a pena, se eu já não era muito velha para fazer concurso. Felizmente não deixei que esses pensamentos destrutivos me paralisassem. Hoje posso dizer que tudo valeu a pena”.

Para o Coordenador do Curso, professor José Plínio Rigotti, “é um orgulho para mim e todo corpo docente ver nossos diplomados galgando altos cargos no judiciário, bem como em outras áreas, o que tem ocorrido frequentemente, o que coloca o Direito como uma ótima alternativa para formação”.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE