Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Saúde
Governo do RS mantém em dia repasses a hospitais apesar da crise
Mesmo com o agravamento da crise financeira, o governo do Estado vem conseguindo manter em dia os repasses mensais para hospitais filantrópicos e Santas...
Redação
por  Redação
19/08/2019 22:02 – atualizado há 2 meses
Continua depois da publicidadePublicidade


Mesmo com o agravamento da crise financeira, o governo do Estado vem conseguindo manter em dia os repasses mensais para hospitais filantrópicos e Santas Casas, cuja dívida foi equacionada. No caso dos municípios, pagamentos também foram retomados e não há mais interrupções, mas prefeitos ainda aguardam solução para parte das pendências herdadas pela atual gestão. 

Ao assumir o comando do Palácio Piratini, em janeiro, Eduardo Leite encontrou cofres raspados e uma série de contas vencidas, entre elas cerca de R$ 1 bilhão na área da saúde, acumulados desde 2014. Em razão da falta de recursos, as instituições hospitalares só começaram a receber pagamentos relativos a 2019 em março.

Apesar das dificuldades iniciais, desde então, segundo a Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes, Religiosos e Filantrópicos do Rio Grande do Sul, os depósitos estão sendo honrados e não há valores pendentes. O dinheiro é destinado a programas que dependem de verbas de incentivo do Estado – entre eles, captação de órgãos e tecidos para transplantes, UTI neonatal e rede de apoio ao Serviço Móvel de Urgência (Samu).

Quanto à dívida que o Estado mantinha com os estabelecimentos, no valor de R$ 260 milhões, o governo solucionou o problema por meio de uma linha de financiamento específica — chamada de Fundo de Apoio Financeiro e de Recuperação dos Hospitais Privados sem Fins Lucrativos (Funafir). A medida já havia sido adotada pelo ex-governador José Ivo Sartori em duas ocasiões (2015 e 2017). 

Funciona assim: os estabelecimentos são autorizados a contrair empréstimo no Banrisul no valor devido, e o Estado banca as parcelas e os juros (com um período de carência). A alternativa deu resultado.

— Buscávamos a regularidade dos repasses e uma saída para a dívida, além de diálogo permanente com o Estado. Estamos satisfeitos. A secretária é acessível e conhece muito bem a área. As parcelas estão sendo pagas e o Funafir solucionou a dívida. Esperamos, agora, que o Estado consiga manter essa regularidade. Sabemos que isso depende do equilíbrio das contas, por isso apoiamos as reformas que o governador planeja fazer — diz André Lagemann, presidente da federação e diretor do Hospital Ouro Branco, de Teutônia, no Vale do Taquari. 


Colaborou: GZH

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE