Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Educação
Ministro da educação Abraham Weintraub avalia trabalho da pasta em 2019
"Sai o kit gay e entra a leitura em família" declara ministro, citando programa Conta para Mim, que incentiva a leitura no ambiente familiar.
Radio Guaíba
por  Radio Guaíba
08/01/2020 08:06 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, enalteceu o trabalho desempenhado pela pasta no ano passado durante reunião com o presidente Jair Bolsonaro nesta terça-feira. Ele citou, em especial, o programa Conta para Mim lançado em dezembro, que incentiva a leitura no ambiente familiar.

Divulgação MEC

“(O programa) busca justamente valorizar o papel da família com as crianças pequenas nesses primeiros momentos. Sai o kit gay e entra a leitura em família”, disse o ministro, no encontro transmitido ao vivo do Palácio do Planalto. As informações foram publicadas pelo jornal O Estado de S.Paulo.

Bolsonaro e apoiadores sempre chamaram de “kit gay” o material batizado de “Escola sem Homofobia”, que chegou a ser discutido dentro do Ministério da Educação (MEC) em 2011, mas que teve produção e distribuição vetadas pela então presidente da República, Dilma Rousseff. Durante a reunião, Bolsonaro assistiu um vídeo de balanço da atuação do MEC em 2019.

Das ações destacadas, o presidente comentou o fim do uso de livros didáticos considerados por ele “péssimos” e uma “vergonha”. O ministro assegurou que a pasta deu uma “boa limpada” no material oferecido. “Já saiu muita porcaria, mas ainda vai (sair) alguns (livros) que a gente não gosta”, disse Weintraub.

A questão da ideologia de gênero, mencionada com frequência durante a campanha de Bolsonaro, também pautou a conversa. Para o presidente, o tema não deve ser tratado pelo MEC. 

“Uma parte do eleitorado se simpatizou comigo na pré-campanha e na campanha, tendo em vista a educação. Não vi discussão sobre ideologia de gênero. Isso, no meu entender não é para ser discutido lá (no ministério). O pai quer que o filho seja homem, que a filha seja mulher; coisa óbvia, né”, disse o presidente.

Weintraub apoiou a fala e acrescentou: “Quem educa é a família, a escola ensina. A gente ensina a ler, a escrever, ensina o ofício. A gente espera que a família eduque as crianças”. O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2019, considerado “sem polêmicas”, também recebeu elogios do presidente durante a reunião.

Bolsonaro retomou as críticas à prova anterior, mencionando a “linguagem secreta dos gays” e questionou a contribuição do tema para os estudantes: “não consigo entender o que contribuía uma redação com esse tema?”, questionou o presidente. Na verdade, a redação era sobre outro tema, a manipulação do comportamento do usuário pelo controle de dados na internet. A “linguagem secreta dos gays” – um dialeto conhecido como pajubá – fazia parte de uma questão da prova de Linguagens do Enem daquele ano.

A reunião ocorreu em meio a rumores da possível saída de Weintraub do governo. Bolsonaro, contudo, apenas elogiou a atuação do ministro e citou a gestão de Ricardo Vélez, que esteve à frente do MEC até abril de 2019, como um “início conturbado”. Sem citar diretamente o nome de Vélez, Bolsonaro afirmou que apesar de “bem intencionado” faltou “malícia” da parte do ex-ministro para “algumas funções que tinham de ser mudadas”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE