Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Agro
PEDIDO DE PROIBIÇÃO | MP pedirá suspensão temporária da aplicação do herbicida 2.4-D no RS
Produto utilizado em lavouras de soja tem causado prejuízos em produções de frutas no Estado
Redação
por  Redação
28/11/2019 23:12 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade


O Ministério Público irá expedir, ainda nesta quinta-feira, uma recomendação para a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural para que seja suspensa a aplicação do herbicida 2.4-D enquanto perdurar a greve dos fiscais agropecuários. A partir do documento, a Secretaria deverá publicar uma portaria ou instrução normativa decretando a proibição temporária.

A decisão também foi motivada pelos resultados apresentados esta semana pela Secretaria, que indicaram a presença do agrotóxico em 100% das 76 amostras coletadas em 52 propriedades rurais. O 2.4-D, utilizado nas lavouras de soja, vem causando prejuízos em produções de frutas como uvas, azeitonas e maçãs no Estado, especialmente nas regiões da Campanha, Fronteira Oeste, Central e Campos de Cima da Serra.

Conforme o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen – que presidiu reunião, na sede do MP, que resultou no pedido de suspensão – o Estado vem tentando de todas as formas achar mecanismos de enfrentamento do problema. “Diante desses resultados das amostras e da falta de fiscalização temporária, não houve outra alternativa”, disse Dallazen.

“Essa medida drástica se deve a prática continuada de alguns produtores que não se sensibilizaram com essas ações”, reforça o promotor de Justiça do Meio Ambiente de Porto Alegre, Alexandre Saltz, que está a frente das tratativas para dirimir o problema. A partir dos debates liderados pelo promotor, o Estado publicou durante este ano quatro instruções normativas que tratam sobre a venda, aplicação e responsabilidade gerada pelo uso do herbicida. Saltz reforça que a medida decidida hoje não irá interferir nas demais ações que estão sendo tomadas de responsabilização penal dos produtores que não estão respeitando as normas contidas nas instruções normativas.

Colaborou: CP

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE