Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Política
MPF investiga "interferências indevidas" na aprovação da reforma da Previdência
Inquérito envolve Presidente Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o ministro da Saúde, Luiz Mandetta. Inquérito foi publicado no DO do MPF nesta quinta (16)
GZH
por  GZH
17/01/2020 11:38 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O Ministério Público Federal (MPF) instaurou um inquérito para apurar "interferências indevidas" do presidente Jair Bolsonaro, do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do ministro da Saúde, Luiz Mandetta, na aprovação da reforma da Previdência.

O inquérito foi instaurado na segunda-feira (13) e publicado no Diário Oficial do MPF desta quinta (16)-feira. O documento é assinado pelo procurador da República em Brasília Carlos Bruno Ferreira da Silva.

A decisão de instaurar o inquérito civil atende a representação da bancada do Psol na Câmara dos Deputados: Ivan Valente, Fernanda Melchionna, Áurea Carolina, David Miranda, Edmilson Rodrigues, Glauber Braga, Luiza Erundina, Mercelo Freixo, Sâmia Bomfim e Talíria Petrone.

Os parlamentares acusaram o presidente de comprar votos de deputados. Bolsonaro liberou R$ 1,13 bilhão em emendas parlamentares que eram destinadas à área da saúde em julho.

De acordo com os deputados, do total de verbas, "R$444.513.894 não têm autorização legislativa, o que é irregular e pode ser enquadrado em crime de responsabilidade". "Constitui-se, portanto, verdadeira fraude à Constituição e ao próprio devido processo legislativo utilizar do orçamento público para barganhar votações de interesse do governo na Câmara dos Deputados", diz a representação do Psol.

A GaúchaZH, Melchionna explicou os motivos do pedido de investigação:

— São duas ilegalidades. Primeiro, a questão de usar verbas públicas para influir no processo legislativo. Isso é crime de responsabilidade. E segundo, o orçamento tem que ser empenhado conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Mas eles fizeram uma portaria com outros recursos sem autorização legislativa.

Para a deputada, se a investigação comprovar a irregularidade, a votação da reforma deveria ser anulada:

— O processo legislativo feito em bases ilegais, imorais, inconstitucionais, poderia anular.


PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE