Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Cidade
MTG se pronuncia oficialmente após eleição da entidade parar na Justiça
O pleito, ocorrido no sábado, em Lajeado, parou na Justiça após um empate entre as candidatas Elenir Winck e Gilda Galeazzi, ambas com 530 votos.
Rádio Guaíba
por  Rádio Guaíba
14/01/2020 22:57 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O Movimento Tradicionalista Gaúcho (MTG) se pronunciou oficialmente, nesta terça-feira, sobre as eleições para presidente da entidade. O pleito, ocorrido no sábado, em Lajeado, durante o 68º Congresso Tradicionalista, parou na Justiça após um empate entre as candidatas Elenir Winck, da chapa “De coração pela tradição”, e Gilda Galeazzi, do “Fazer agora”. Ambas tiveram 530 votos, mas o critério de desempate previsto no artigo 127 da instituição, que determina que o grupo com o integrante mais antigo seja declarado vencedor, levou o MTG a declarar Elenir vencedora. Gilda, então, entrou com pedido de liminar na Justiça para suspender o efeito da eleição por ter idade mais avançada que a concorrente.

O presidente da gestão anterior, Nairo Callegaro, afirmou, em entrevista coletiva na sede do MTG, em Porto Alegre, que responde pela entidade até o dia 25 de janeiro, quando uma reunião do conselho diretor decide o que fazer a partir de então. “Não gostaria de estar aqui neste momento. Já cumpri o meu papel à frente da instituição. Mas assumo até lá. Foi uma situação inusitada, que talvez não se repita. O número de votantes era ímpar, mas cinco pessoas anularam, ninguém esperava”, conta.

Com a Coletânea da Legislação Tradicionalista em mãos, publicação que baliza as atividades e reúne estatutos e regulamentos do movimento, Callegaro recorreu aos incisos 1 e 2 do artigo 118 para justificar o resultado do pleito. “A inscrição para eleição é uma nominata de candidatos que concorrem a uma cadeira no conselho diretor. Isto que é entregue na secretaria do MTG. E não o nome de um candidato à presidência”, explica, ressaltando que não tomou partido por nenhum lado. “Se está certo, errado ou dúbio, é o que está escrito”, frisa.

Se a liminar expedida no domingo, suspendendo a ata do escrutínio, for derrubada, Elenir Winck vai ser oficializada presidente do MTG. Naquele dia, apenas os coordenadores regionais e o departamento jovem tomaram posse. A proclamação da vencedora segue sem previsão para ocorrer. “Vamos respeitar a Justiça, por enquanto, tudo o que aconteceu depois de domingo, quando saiu a decisão, não teve validade”, disse Callegaro, que reitera ter visto as duas chapas assinarem e, por consequência, concordarem com a ata.

Contatada pela reportagem, Elenir Winck disse que prefere esperar a Justiça para se pronunciar. A vencedora, segundo o regramento do MTG, seguia aguardando o julgamento de um recurso contra a liminar, no fim da tarde de hoje.

Já Gilda questiona o entendimento da atual presidência do MTG. “Por que, então, estabelecer como critério de desempate a idade de um conselheiro, e não da candidata a presidente?”, questiona.

Nairo Callegaro ressalta que o assunto precisa ser abordado com tranquilidade e serenidade. “Temos que preservar a integridade do MTG (…) Temos duas candidatas que prestaram um grande serviço ao tradicionalismo gaúcho”, finaliza.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE