Receba as notícias mais importantes do dia no WhatsApp. Receba de graça as notícias mais importantes do dia no seu WhatsApp.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Segurança
Uso de bomba elétrica pode ter causado explosão que matou homem em posto de Caxias do Sul
A informação é do Instituto Geral de Perícias na Serra, Airton Kramer, após análise de peritos no local da explosão na manhã desta terça-feira (21)
Pioneiro
por  Pioneiro
21/01/2020 13:38 – atualizado há 1 mês
Continua depois da publicidadePublicidade

O uso de uma bomba elétrica pode ter contribuído para explosão que matou um homem em um posto de Caxias do Sul na tarde de segunda-feira (21). A informação é do coordenador regional do Instituto Geral de Perícias na Serra, Airton Kramer, após análise de peritos no local da explosão na manhã desta terça-feira (21). 

Foto: Daniel Herrera / Divulgação

O acidente, que ocorreu pouco antes das 16h de segunda-feira, matou Valmir Machado, 42 anos, natural de Itapiranga (SC) e morador de Estrela, durante o trabalho de limpeza de um tanque de etanol. O combustível seria descartado. 

Outros dois funcionários ficaram feridos na explosão no posto que fica na Rua João Nichele, no bairro Sanvitto. O posto passa por reformas e não estava aberto a clientes no momento da explosão.

Conforme o coordenador regional do IGP, uma bomba elétrica foi colocada dentro do tanque para drenar uma pequena parte do combustível que havia sobrado. Ele afirma que é inadequado usar esse tipo de equipamento e que o ideal seria a utilização de uma bomba mecânica ou pneumática. Outra questão é que a bomba elétrica usada no dia da explosão era antiga e tinha emendas no cabo.

Foto: Lucas Amorelli / agência RBS

De acordo com o relato inicial repassado por um dos feridos à polícia, a explosão ocorreu quando a bomba era retirada do tanque, após a remoção de uma porção do etanol que ainda estava no compartimento. É o que explica o delegado de Polícia Civil, Vitor Carnaúba:

— Segundo o relato do funcionário, eles estavam providenciando a retirada do combustível quando, no final do serviço, a explosão ocorreu. Só a perícia vai dizer o que aconteceu.

Outro apontamento do IGP é de que a empresa JK Instalações, que presta serviços há 12 anos para a rede de postos SIM, não tinha equipamento adequado para detectar gases. A empresa disse aos peritos que tinha detector, mas que não estava operando na segunda-feira. A empresa afirmou que não recebeu o laudo da perícia e, por isso, não vai se manifestar sobre essa questão.

Foto: Lucas Amorelli / agência RBS


Com o resultado da perícia do IGP, a polícia seguirá investigando as causas da explosão para falar com testemunhas. A fiscalização da Secretaria do Trabalho do Ministério da Economia também apura as causas do acidente e as possíveis responsabilidades.

Na manhã desta terça-feira, a rede SIM emitiu uma nova nota sobre o incidente no posto de Caxias. No documento, afirma que seguirá acompanhando todos os processos e prestando assistência aos envolvidos. 

Confira a íntegra:

"Após o incidente com os colaboradores de uma empresa terceirizada, os dois feridos rapidamente foram socorridos e levados ao hospital, por onde passaram por procedimentos e estão sendo acompanhados por equipe médica altamente qualificada. A equipe da SIM continua acompanhando todos os processos e prestando assistência e solidariedade as vítimas e familiares. Os órgãos competentes continuam com suas investigações na busca das causas do acidente. Reiteramos nossa preocupação com as pessoas e estamos contribuindo com todo o necessário para a conclusão das análises. Novas informações serão disponibilizadas assim que possuirmos maiores detalhes sobre o incidente".

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE